chega-de-agrotoxicos

Chega de agrotóxicos

Camila Molena de Assis, docente do curso de Nutrição do UniAnchieta, ensina como encontrar alimentos orgânicos e livres de agrotóxicos no supermercado.

MANGER AU MOINS 5 FRUITS ET LÉGUMES PAR JOUR – Slogan de uma campanha de profilaxia lançada pelo governo francês em 2007, esta mensagem aparece nos comerciais de TV francesa e sinaliza a importância de comer ao menos cinco frutas e legumes por dia.

Fazer visitas regulares à feira livre pode trazer benefícios à saúde, e a cada dia os profissionais da área da saúde apresentam os benefícios de uma alimentação saudável. Entretanto, alguns especialistas sinalizam os riscos da quantidade de agrotóxicos presente em alguns alimentos.
O Brasil é o país em que mais se consomem agrotóxicos no mundo. Quando comparado com os Estados Unidos, cuja agência é a Food and Drug Administration (FDA), e com a Europa, cuja agência é a European Food Safety Authority (EFSA), o Brasil, por meio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), avalia somente 5% dos alimentos em relação à presença e à quantidade de agrotóxicos.
Criado pela ANVISA, o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) fiscaliza a produção de alimentos com agrotóxicos e neste mês liberou uma última análise de 2.500 amostras de 18 tipos de alimentos, encontrando concentrações acima do permitido nos seguintes produtos:

Pimentão – 91,8%
Morango – 63,4%
Pepino – 57,4%
Alface – 54,2%
Cenoura – 49,6%
Abacaxi – 32,8%

Beterraba – 32,6%
Couve – 31,9%
Mamão – 34,4%
Tomate – 16,3%
Laranja – 12,2%
Maçã – 8,90%

Arroz – 7,40%
Feijão – 6,50%
Repolho – 6,30%
Manga – 4,00%
Cebola – 3,10%

A agricultura orgânica é uma alternativa para o consumo desses alimentos saudáveis sem a presença de agrotóxicos, pois o cultivo e a prática de manejo são realizados sem o uso de fertilizantes sintéticos e agrotóxicos.
Com a regulamentação da agricultura orgânica pela Lei nº. 10.831/2003, o sistema orgânico de produção agropecuária foi definido, no Artigo 1º, como: “todo aquele em que se adotam técnicas específicas, mediante a otimização do uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis e o respeito à integridade cultural das comunidades rurais, tendo por objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energia não-renovável, empregando, sempre que possível, métodos culturais, biológicos e mecânicos, em contraposição ao uso de materiais sintéticos, a eliminação do uso de organismos geneticamente modificados e radiações ionizantes, em qualquer fase do processo de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização, e a proteção do meio ambiente”.
Em 2007, por meio do Decreto n°. 6323/2007, estabeleceram-se as regras de certificação e fiscalização dos produtos orgânicos.

Como identificar produtos orgânicos?
Por meio da Instrução Normativa nº. 50, de 5 de novembro de 2009, a legislação brasileira estabeleceu um selo único para identificar os produtos orgânicos, o Selo do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg). No caso das feiras livres, a identificação é feita pela Declaração de Cadastro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

De acordo com informações colhidas no site do MAPA (http://www.agricultura.gov.br), os produtos nacionais ou estrangeiros vendidos em mercados, supermercados e lojas devem estampar o selo federal do SisOrg em seus rótulos. Se o produto for vendido a granel, deve estar identificado corretamente, por meio de cartaz, etiqueta ou outro meio. Os restaurantes, lanchonetes e hotéis que servem pratos orgânicos ou pratos com ingredientes orgânicos devem manter à disposição dos consumidores as listas dos ingredientes orgânicos e dos fornecedores desses ingredientes.
Ainda de acordo com informações obtidas no site do MAPA, se um lojista expuser para a venda um produto sem selo cujo rótulo informa que é orgânico, o produto será apreendido e o responsável pelo estabelecimento será instruído sobre os cuidados a serem tomados. Se o produto nessas condições estiver em sua embalagem original, o produtor será autuado e pode ser multado. Se o produto estiver em outra embalagem ou a granel, o produtor e o responsável pelo ponto de venda respondem pela irregularidade.
Fonte: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/orgânicos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

*

*