Depoimento

Por Rafaela, namorada do Higor

depoimento-rafaela-namorada-do-higor

O amor em palavras

“Estamos juntos desde o dia 3 de setembro de 2014, quando aconteceu o nosso primeiro beijo, e desde então não nos desgrumamos mais; continuamos na mesma sala, só que, além de amigos, namorados. Estamos juntos há um ano e nove meses, um ajudando o outro, na vida e na faculdade. Estamos muito felizes e apaixonados.”

Sou Rafaela Sousa, estudante do quinto período de Engenharia Civil, e vou contar como eu conheci meu namorado Higor Teixeira, estudante da mesma turma. Foi no primeiro dia de aula que nos conhecemos. Um amigo em comum nos apresentou na rampa que dá acesso às salas de aula; nesse primeiro momento, apenas nos cumprimentamos e, por ironia do destino, estávamos na mesma turma. Na sala, cada um foi para um lado; no decorrer da semana, não nos cumprimentamos e ele nem me olhava; eu não quis ir falar um “oi, tudo bem? Sou a menina que você conheceu no primeiro dia de aula”, imaginando que ele já não se lembrava de mim. Porém, havia um detalhe importante que eu tinha reparado desde o primeiro dia de aula: ele namorava; pensei que por esse motivo ele não queria criar uma amizade. Os dias foram passando, a galera começou a se conhecer e eu comecei a conversar com o mesmo pessoal com que ele conversava. Depois de quase um mês ele me cumprimentou novamente, e começamos a conversar como amigos, já que tínhamos o mesmo círculo de amizades. Com o passar dos meses, criamos mais intimidade e passamos a fazer todos os trabalhos em grupo juntos. Até então, ele não tinha dado indícios de que tinha interesse em mim, e eu sempre ficava na minha porque ele namorava. Um dia, estávamos na sala de aula resolvendo questões de um trabalho superdifícil, e ele chegou do meu lado, mordeu a minha cabeça e saiu como se nada tivesse acontecido. Achei aquilo estranho, mas diferente, foi uma forma inusitada de dizer “Oi, eu estou aqui e gostei de você”. Por ele namorar, não dei muita importância, mas, se eu já tinha algum interesse, aquilo me despertou muito mais, como quando algo estala em você, mais ou menos isso. Comentei o que tinha acontecido com uma amiga nossa, a Nagila; ela, que foi nosso cupido, mais que depressa contou o que ele tinha falado sobre mim: “Que tinha me achado linda, porém eu era muito grossa, mas que ele tinha um certo interesse em mim mesmo assim”. Passaram-se os dias, e fomos para um barzinho próximo da faculdade, conhecido entre os alunos como “Padoca”. Ele sempre gentil e carinhoso comigo, e eu sempre grossa e arisca com ele, claro, porque eu não queria dar e nem ter esperanças com alguém comprometido. Ele sempre me oferecia caronas e eu nunca aceitava; na única vez em que aceitei, ele estava separado da namorada e tentou me beijar; eu recuei e disse que não tinha gostado da atitude dele e que eu não queria que aquilo se repetisse. Depois disso fiquei um tempo sem falar com ele e nunca mais aceitei carona dele. Passaram-se os meses, vieram as férias, e eu nunca mais o vi. No primeiro dia de aula, como sempre eu estava atrasada e não tinha feito minha rematrícula. Quando ele soube pela Nagila que eu estava tendo problemas para fazer a rematrícula e que talvez tivesse que ficar em outra sala, saiu depressa e foi me ajudar a resolver o problema. Consegui realizar a matrícula e ir para a sala, onde encontrei o nosso cupido; conversamos sobre as novidades, e ela logo foi me contando a maior novidade: o Higor estava solteiro. Não criei esperanças para não quebrar a cara. Com jeitinho, abordei o assunto com ele, que confirmou que estava realmente solteiro e desta vez era para valer. Passarem-se os dias, e tivemos que realizar um trabalho na biblioteca. Nossa cupido entrou em ação. Fomos para a biblioteca e fizemos o trabalho; na hora de irmos embora, ela disse que não poderia me dar carona; foi então que o Higor me ofereceu carona, e eu aceitei com um pouco de receio, confesso, porque na última vez a carona tinha sido meio desastrosa. Como eu ia embora de van, ele me levou de carro até a van; antes de descer do carro, peguei minhas coisas e agradeci pela carona, mas lá no fundo a minha esperança de que ele fizesse algo estava gritando enlouquecidamente: “garoto, faz alguma coisa, porque se você não fizer, eu faço”. Mas acho que ele escutou… antes mesmo de eu sair do carro, ele me chamou e me deu um beijo que me fez sentir algo que eu nunca tinha sentido na vida. Naquele momento, eu descobri que minha atração por ele era algo mais. Liguei para minha cupido e amigas e contei o que tinha acontecido naquele dia, porque todas já conheciam o Higor, de tanto que eu falava nele, até foto eu tirei dele para elas verem, foto essa que tenho guardada até hoje. Estamos juntos desde o dia 3 de setembro de 2014, quando aconteceu o nosso primeiro beijo, e desde então não nos desgrumamos mais; continuamos na mesma sala, só que, além de amigos, namorados. Estamos juntos há um ano e nove meses, um ajudando o outro, na vida e na faculdade. Estamos muito felizes e apaixonados.

Por Rafaela, namorada do Higor

DEIXE UM COMENTÁRIO

*

*